quarta-feira, 5 de maio de 2010

Triste frase de uma mulher cansada



Seis e quinze da manhã.
Após uma noite insone levanto. Dor de cabeça, cólica intestinal e coluna travada. Sim (parcos) leitores, tudo isso junto. Acho que é algum encosto!
Depois, um pouco melhor. Com a pouca coragem que tinha fui enfrentar um engarrafamento monstro pra ir á faculdade. Eu devia ganhar um prêmio, sei lá, uma medalhinha de honra ao mérito por tanta vontade de estudar. Mentira!!! Era a responsabilidade que me empurrava; a vontade nessa hora resolveu que ia tirar férias e se pudesse no Havaí.
Gente, eu tenho que defender o tema mais hiper-mega-ultra-complicado da cadeira de Marketing. Há dias não aguento mais ler sobre preço, posicionamento de oferta, demanda elástica e o caralho-a-quatro. O melhor é ter que esperar a boa vontade do notebook mais lento da Terra ajudar e ainda ter na equipe um amigo estressado com sinais da síndrome de burnout e de outro com timidez excessiva que diz que não apresentará o trabalho. O último é um gago que quer fazer monografia no power point. Tô feita com esses meninos ,né.
Mas conflitos, quando bem administrados levam a crescimento e futuramente serei paga pra gerenciar isso, eu acho...Longinquamente falando. Haja jogo de cintura pra lidar com atividades em grupo.
Meio-dia.
Quando ninguém tolerou o assunto associada a chegada da fome, cada um tomou seu rumo...Eu fui andar, pagar contas, etc.
Almocei três da tarde, sem direito a descanso. Às seis fui deixar com meu namorado os pais deles no aeroporto.
Penei pra abrir o trabalho que não batia com o programa que tinha no pc. Quando consigo vejo que o gago deixou erros crassos de portugués, deixar erro no blog é uma coisa, deixar no assunto que vale nota em seminário é outra. Logo só resta a mim corrigir.
Vinte e duas horas
Na agonia pra terminar esta cruz disse pro meu companheiro:
- Eu não queria agora nem saber das vogais, não queria ser alfabetizada.
Cá com meus botões pensava em ser eremita e viver dentro do mato.
Pedi perdão em seguida por tamanha idiotisse.
Aprender é uma das melhores coisas que existe. Às vezes me assusta a pressão de ter que saber múltiplos conhecimentos, entretanto é preciso entender o difícil porque o fácil é devastador. Já me diz Carlos Ronchi, amigo e professor.



Ps: ouvindo Gabriel's Oboé - Ennio Morricone


7 comentários:

  1. Este texto me fez pensar algumas coisas...

    ...Gosto do jeito que você consegue adentrar em coisas do cotidiano de forma simples e ao mesmo tempo intensa e complexa...!

    ResponderExcluir
  2. Boa descrição de um ótimo começo de dia, rs.

    ResponderExcluir
  3. Gago no powerpoit??? OMG! =/

    Vida dificil a das mulheres alfabetizadas...

    ResponderExcluir
  4. só digo uma coisa: mantenha o foco! rsrsrs...

    ResponderExcluir